Politica - 01/07/2022 - 00:35:23

 

Datafolha: Rodrigo Garcia, PSDB, e Tarcísio de Freitas, Republicanos, aparecem empatados

Datafolha: Rodrigo Garcia, PSDB, e Tarcísio de Freitas, Republicanos, aparecem empatados

 

Da Redação com Folha de SP

Foto(s): Montagem

 

Os pré-candidatos ao governo de São Paulo Fernando Haddad (PT), Tarcísio de Freitas (Republicanos) e Rodrigo Garcia (PSDB)

Os pré-candidatos ao governo de São Paulo Fernando Haddad (PT), Tarcísio de Freitas (Republicanos) e Rodrigo Garcia (PSDB)


A virtual saída de Márcio França, PSB, da disputa pelo Governo de São Paulo afunilou a corrida entre Fernando Haddad, PT, que aponta com 34%, e Rodrigo Garcia, PSDB e Tarcísio de Freitas, Republicanos ambos com 13%.

Brancos e nulos somam 20% e os indecisos 9% nas eleições de 2022 ao Palácio dos Bandeirantes.

Os resultados atuais são do Datafolha, que entrevistou 1.806 eleitores de 28 a 30 de junho. A margem de erro são de dois pontos percentuais e a pesquisa foi contratada pela Folha de São Paulo registrada no TSE, Tribunal Superior Eleitoral, sob o número SP-02523/2022.

O Datafolha testou dois cenários, um sem e outro com Márcio França. No bastidor, França disse a aliados que poderá não disputar as eleições deste ano. A posição de França, PSB, é quase totalmente certa tanto para apoiadores como seus adversários no pleito.

O arranjo entre PT e PSB, que estam aliados na disputa federal com a chapa Lula da Silva e Geraldo Alckmin, seria o grande motivo.

Com isso o palanque unificado agora serve mais aos objetivos do PT, e o ex-governador Márcio França deverá ser postulante ao Senado.

Nesta quinta, 30, com a (nova) desistência do apresentador José Luiz Datena, PSC, que fica fora da disputa pelo Senado, na chapa de Tarcísio de Freitas, antão o caminho da disputa ao Senado fica aberto para Márcio França.

Datafolha SP - 28 a 30/06/2022

Fonte: Pesquisa Datafolha presencial com 1.806 entrevistados, realizada de 28 a 30 de junho; a margem de erro é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos

Na eventual saída de França da disputa ao governo paulista, os entrevistados, eleitores de Márcio França, questionados sobre suas preferências entre os demais concorrentes, mostram seguinte distribuição: 30% por Haddad, 25% por Rodrigo e 20%, por Tarcísio. Isso demonstra a eventual migração dos votos do ex-governador.

O que mostra uma situação preocupante aos postulantes, pois ao se questionar os entrevistados quanto a definição espontânea em quem votariam, 72% se apresentam indecisos.

Datafolha SP - 28 a 30/06/2022

Fonte: Pesquisa Datafolha presencial com 1.806 entrevistados, realizada de 28 a 30 de junho; a margem de erro é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos

A tática de Rodrigo Garcia, até o momento, é evitar confronto direto para reduzir eventual rejeição e aguardar um maior enfrentamento somente quando a propaganda na TV iniciar no fim de agosto.

Já o voto declarado Rodrigo Garcia e Tárcisio de Freitas indica que ambos disputam a mesmo nicho do eleitorado, com pequenas variações no segmento.

Rodrigo, PSDB, tem melhor desempenho entre mais ricos (19% de intenção, 3% dos eleitores), funcionários públicos (19%) e empresários (23%, 3% da amostra).

Tarcísio, Republicanos, apresenta-se melhor entre homens (18% de declaração de voto, grupo com 46% da amostra), quem tem ensino superior (18% num universo de 26% dos eleitores), quem ganha de 5 a 10 salários mínimos (19%, 9% da amostra) e os mais ricos (19%, 3% dos paulistas). Ele vai bem também entre empresários (26%), empatando com Haddad (28%) no grupo.

Entre as mulheres, Tarcísio, ligado aJair Bolsonaro, tem apenas 9% de intenção de voto demonstrando ser relacionado à maior rejeição de Bolsonaro nesse grupo, que em São Paulo compõe 54% do eleitorado.

;

Links
Vídeo


Últimas Notícias




Lei de Diretrizes Orçamentárias prevê mínimo de R$ 1.294 em 2023


Dólar fecha a R$ 5,13 com expectativas sobre inflação nos EUA


MEC divulga o resultado da 1ª chamada do ProUni 2022/2


Morre Olivia Newton-John aos 73 anos


Dólar cai para R$ 5,11 e fecha no menor nível em sete semanas


Estudo mostra alta da pobreza em regiões metropolitanas